SEGUIDORES DO MURAL

sexta-feira, 1 de agosto de 2014

CADÊ A POLICIA?

 

Quem pega ônibus ou cruza a pé diariamente a Rua Antônio Batista, no Bairro Santa Cecília, em Viamão, tem que ter mais do que a passagem do coletivo no bolso ou disposição para caminhar. Precisa de uma boa dose de sorte para chegar ao destino sem ser assaltado. Segundo relatos de moradores, criminosos atacam à luz do dia quem aguarda transporte nas paradas ou circula pela região.
Os horários preferidos dos bandidos são entre 5h e 7h, quando as pessoas saem para trabalhar, e a partir das 18h, quando estão voltando. Geralmente, os criminoso agem em duplas ou em bandos, e usam motos para praticar os ataques.
- Três tias minhas foram assaltadas no mesmo dia por um motoqueiro. Duas delas estavam na parada do ônibus, e a terceira estava do outro lado da rua. Ele abordou primeiro as duas e, em seguida, atravessou para atacar a terceira - relata a auxiliar de laboratório Rita Suelen Prestes, 23 anos, na manhã de ontem, enquanto aguardava o ônibus, torcendo para não ter a mesma sorte das parentes.
Ataques no embarque e desembarque
Quando os assaltos não acontecem antes do embarque, é no desembarque que as vítimas são pegas.
-Já fui assaltada quando desci do ônibus. A moto para atrás dele (ônibus) e, quando ele arranca, os homens atacam quem desce. Uma vizinha já foi assaltada seis vezes em quatro meses que mora aqui - relata uma moradora, que pediu para não ser identificada.
Apesar de bem iluminada, a Rua Antônio Batista tem muitos trechos cercados por matagais ou terrenos abandonados, o que facilita a ação dos bandidos. Eles usam estas áreas como esconderijo, de onde partem para os ataques. É o que acontece na esquina com a Rua Bonanza.
-Este terreno virou depósito de lixo e local de descarte de coisas que eles pegam nos assaltos e não querem, principalmente documentos. Como a área é muito grande e está com o mato alto, não tem como ver que eles estão ali. As pessoas são surpreendidas quando passam e já não dá tempo de fazer mais nada - conta o aposentado Raul dos Santos Flores, 66 anos.
Esperar na parada é um risco
Outra queixa dos moradores é em relação à demora no horário dos ônibus. Segundo eles, quanto mais tempo precisam esperar na parada, maior é o risco de passar por este drama. Atualmente, segundo a empresa Evel, quatro linhas da sua frota e uma municipal atendem a região.
- Chega a demorar mais de uma hora para passar o ônibus. As paradas ficam lotadas. É um prato cheio - diz a auxiliar de enfermagem Tatiane de Lima Carneiro, 29 anos.
Quem não quer esperar, caminha cerca de 1,3km, do final da Rua Antônio Batista até a faixa da avenida Plácido Motim, onde há mais opções de ônibus.
- Meu filho sai para trabalhar às 4h e precisa ir a pé até "lá em cima". Isso já é um perigo à luz do dia, imagina na madrugada! - diz Raul.

Cinco já foram presos, diz Brigada Militar
A rotina de ataques dos assaltantes sobre motos já está sendo combatida pela polícia, segundo a Brigada Militar. Conforme o comandante do 18º BPM de Viamão, tenente-coronel Marcelo Justi, de junho até hoje, cinco pessoas já foram presas acusadas de assaltos a pedestres e passageiros de ônibus na região. Três motociclistas e dois caroneiros. Segundo o comandante, ainda resta um motociclista agindo na área, mas a BM está fechando o cerco para capturar o criminoso.
- Estamos usando a mesma arma dele, com patrulhamento no local feito por um pelotão de motociclistas, pela agilidade e versatilidade que a moto oferece. Nosso foco é nos horários em que são relatados mais assaltos, no começo da manhã e final da tarde - aponta o tenente - coronel.
Ele ressalta ainda que a colaboração da comunidade tem sido essencial para o sucesso da operação.
- Temos trabalhado muito com as informações dos moradores locais. Temos um canal de denúncia pelo Whatsapp (8501-6581) e pelo Facebook (no perfil Brigada Militar de Viamão) que estão abertos para que a população possa nos alimentar com informações e para que possamos direcionar nossas ações - destaca.
Terreno deverá ser limpo
Sobre o terreno localizado na esquina da Antônio Batista com a Bonanza, a prefeitura de Viamão informa que se trata de uma área particular. A proprietária deverá ser notificada e terá de limpar ou cercar a área, num prazo de 15 a 20 dias a contar da notificação. Caso não o faça, a prefeitura fará os reparos e cobrará posteriormente da responsável.
Já a empresa de transporte Evel ressalta que as suas linhas que atendem a região têm, em média, entre 26 e 30 horários cada, ao longo do dia. Nos horários de pique, a média de espera é de 20 minutos. Fora deste período, passa a ser de 40 minutos.