SEGUIDORES DO MURAL

terça-feira, 26 de junho de 2012

NOSSA SAÚDE MANDA USUÁRIO PARA O XADREZ

JOVEM SE DESCONTROLA E QUEBRA VIDRO DA RECEPÇÃO DO HOSPITAL DE VIAMÃO

PRISCILA AZEVEDO FONSECA, DE 18 ANOS. IRRITADA COM A DEMORA DO ATENDIMENTO NO HOSPITAL DE CARIDADE DE VIAMÃO, NA REGIÃO METROPOLITANA DE PORTO ALEGRE, ALEGANDO QUE FICOU 13 HORAS A ESPERA DO ATENDIMENTO. COM DOR E FALTA DE AR E SEM SER ATENDIDA, BRIGOU COM FUNCIONÁRIOS E QUEBROU VIDROS COM PEDRADAS, AGREDIU COM UM TAPA UM SEGURANÇA E AMEAÇOU POLICIAL. A VERSÃO DO FUNCIONÁRIO DO HOSPITAL QUE PRISCILA FOI CHAMADA PARA ATENDIMENTO, MAS NÃO ESTAVA NO LOCAL. A MOÇA FOI PRESA POR DANOS AO PATRIMONIO E LESÃO CORPORAL E ENCAMINHADA PARA O PRESIDIO FEMININO MADRE PELETIER POR NÃO TER R$ 2.000,00 (DOIS MIL REIAS) PARA PAGAR A FIANÇA.
ATÉ QUANDO VAMOS MOFAR NUMA RECEPÇÃO DE UM POSTO DE SAÚDE OU HOSPITAL, ESPERANDO A SER ATENDIDO. QUANDO VAI TER FUNCIONÁRIOS E MÉDICOS PARA ESSA POPULAÇÃO SEJA DIGNAMENTE ATENDIDA?
ENQUANTO HOUVER SITUAÇÕES EM QUE A POPULAÇÃO TENHA QUE ESPERAR MAIS DE SEIS HORAS PARA SER ATENDIDO, ISSO SE NÃO MORRER ANTES. VAI HAVER POPULAÇÃO INDIGNADA COM A SAÚDE. MINISTÉRIO PUPLICO VAI DEIXAR ESSA MOÇA PRESA ATÉ QUANDO? POR MAIS QUE A PESSOA NÃO ESTIVESSE NO LOCAL NA HORA DA CHAMADA E FOI PRESA POR AGREDIR E DANIFICAR PATRIMONIO PUBLICO, ELA TEVE QUE ESPERAR 13 HORAS SEM PODER IR AO BANHEIRO OU SE ALIMENTAR. SE NÃO PERDE A VEZ AO SER ATENDIDA. ABSURDO!!!


SITE: DIÁRIO GAÚCHO
 Ainda na Delegacia de Polícia de Pronto Atendimento (DPPA) de Alvorada, onde prestou depoimento nesta manhã, Priscila Azevedo Fonseca admitiu ter apedrejado uma janela do Instituto do Cardiologia-Hospital de Viamão e agredido dois seguranças.

Com um filho de um ano e 11 meses, a jovem de 18 anos que trabalha em um posto de gasolina acabou presa com a chegada da polícia após o tumulto, já na madrugada desta terça-feira.

— Não está certo o que fiz, mas saí do sério. Estava desde o meio-dia esperando e achei o cúmulo aquilo. Não tem paciência que aguente — afirma.

Segundo seu relato, Priscila chegou à instituição de saúde às 12h30min de segunda-feira e recebeu boletim de atendimento às 13h01min. Por volta das 18h, teria sido chamada para a triagem, mas alega não ter escutado.

— Não ouvi porque tinha muito barulho. Depois disso, perguntei umas quatro vezes se tinham como me dar um remédio. Disseram que não podiam fazer nada. Então eu disse que iria quebrar tudo e o segurança respondeu: "fique à vontade" — relata.

A jovem conseguiu ser atendida na triagem somente às 21h30min e aguardou até as 1h20min, quando iniciou a confusão. Presa em flagrante, foi conduzida a um hospital de Alvorada onde acabou medicada. Segundo Priscila, as dores que sentia nas costas a deixaram alerta para uma suspeita de gravidez.

Com fiança estipulada pela delegada Simone Viana Chaves de R$ 2 mil, a jovem teve concedida liberdade provisória pela juíza de Direito plantonista Liliane Ortiz e não precisou pagar o valor.
Fonte: site: Diário Gaúcho