SEGUIDORES DO MURAL

quarta-feira, 18 de abril de 2012

DIA DO AMIGO....

CONTO DA AMIZADE

Conta-se que um homem mui bondoso e rico, e, por conseguinte, mui orgulhoso, achava que podia fazer todo o bem às pessoas mediante a riqueza que possuía. Em certa ocasião, alguém por quem tinha grande estima se encontrava deveras deprimido, e por isso, acamado. O seu estimado amigo havia perdido um anel preciosismo, sob seus cuidados por três gerações. Este anel havia caído num chiqueiro de porcos abandonado e lamacento, e por um motivo misterioso de jeito nenhum conseguia achá-lo.
 O rapaz enfermo, com cândido e afetuoso olhar, estimulou o amigo rico a procurar no chiqueiro aquele bem perdido.
Deveria ser naquele momento!?
Eis a questão: permitir que seu amigo definhasse, e deixar o seu orgulho o acorrentar, ou dar vazão a um profundo sentimento de compaixão.
Que dicotomia!
Porém, o amigo rico decidiu, resoluto, procurar o anel naquele chiqueiro. Então, sem titubear, caminhou em direção a porta a passos largos e firmes quando,  de repente, aquele rapaz que se encontrava enfermo e acamado, pôs-se de pé e disse: - Não precisa mais procurar o anel; não o quero mais! Ele antes me trazia contentamentos, mas agora, sua afeição, seu amor, meu amigo, preencheu o vazio em meu coração. E HOUVE LIBERTAÇÃO! Uma das maneiras mais eficazes de pessoas serem libertas.
 Contudo, uma mensagem foi apreendida: às vezes, não importa tão somente realizar algo; já que aquele que quer de fato fazer o bem, antes deve estar disposto a fazê-lo. Ou seja, num sentido espiritual, é possível fazer o bem, ainda que por algum tipo de religiosidade ou parcialidade ou, ainda, formalismo, sem que se queira, verdadeiramente, fazê-lo. 

Sesinando Fontes